O corpo como modelo

A conversinha sobre o tipo de corpo, o modo como cuidamos do nosso corpo é algo que é tendência nas redes sociais desde que fundamos a nossa noção moderna de indivíduo.

Um charme.

Se a gente for pensar no nosso corpo material, esse que respira, que manipula os dispositivos, o que trabalha, a gente passa a observar que ele também é um corpo imaterial, pois acessa o que está também no campo imaterial, imaginado, geracional, institucional.

Só que o nosso corpo formatado nesses modelos não obedece a eles. E hoje é possível ver discursos que falam do bom corpo o magro, o gordinho, o que se aceita o que é aceito e do mau corpo, o corpo que não é aceito, o corpo que não respeita.

Falei difícil?

A gente vive um corpo que vai além do nosso corpo físico e é isso que nos dá forma e significado.

Se estamos ansiosos, sentimos no corpo, mas também quando sentimos ansiedade como resposta a um excesso de trabalho, também respondemos no corpo a esse sentimento e podemos engirdar, desmaiar, perder o sono e tudo isso altera o corpo físico.

Algumas correntes da Psicologia focam seu estudo e discussão só no corpo físico ou só em uma parte do corpo. Outras procuram olhar para o corpo a partir do contexto que o modela

E você, olha como pro seu corpo? Como ele modela e é modelado pela sua vida e os acontecimentos que nela ocorrem?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s