A culpa (é) da família

Publicado em Deixe um comentário

Em quase todos os textos que eu li sobre esse tema, eles começam dizendo da culpa relacionada à religião, mas não é sobre isso que eu vim falar aqui hoje.

Eu vim falar da culpa nossa de cada dia. Falo hoje do sentimento que surge quando a gente acha que deveria fazer alguma coisa e não fez. Ou do sentimento que surge em resposta a reação de pessoas próximas por quem temos bons afetos e que dizem pra gente que deveríamos ter feito algo e não fizemos. Essas duas situações podem ser face da mesma moeda, e respostas a expectativas nossas e de quem nos cerca.

Pois a culpa esconde alguns outros sentimentos que se confundem com ela e esclarecer pode ser interessante até pra nos livrarmos do peso desnecessário.

Culpa pode esconder o sentimento triunfo de ter transgredido regras. Como por exemplo, o menino que brinca tanto que quebra alguma coisa na casa e é chamado atenção por isso. E sentimentos se misturam. Estava gostoso brincar, mas não é gostoso quebrar algo e deixar a mãe brava. O menino sente culpa.

Sentimos culpa por sentimentos negativos que temos em relação a algumas situações ou comportamentos de algumas pessoas, engolimos seco pra não magoar e dizer que nos incomodamos e sentimos culpa por não ter conseguido evitar que isso se repetisse.

A vida segue e crescemos, o menino cresce e é muito comum engolir a culpa com comida, bebida, compras, experiências compensatórias. Mas nada de pensar na culpa, no máximo pedimos DESCULPA, pros outros e pra gente. Mas não nos responsabilizamos em sentir a culpa ou evitar algo que vai nos trazer certamente o sentimento de culpa.

Papo pesado. É, mas aí a gente ensina os filhos a pedir desculpa e a sentir culpa, e nos sentimos culpados em não fazer mais que isso, ao invés de nos responsabilizarmos e ensinar nossos filhos a se responsabilizarem e sentirem menos culpa em não corresponder a suas expectativas, dos pais e deles menos… de repente, isso pode ter como consequência lidar melhor com frustrações… de repente.

Texto retirado do podcast de minha autoria, Para e Pensa

Sobre ser mãe

Publicado em Deixe um comentário

Eu não sabia que era tão difícil. Filho não vem com manual, mas tem muita pesquisa na Psicologia ajudando terapeutas, educadores e outros professores a apoiarem pais no processo difícil de criar filhos.

Sendo mãe, desde a gravidez, tudo na vida da gente muda. Nosso corpo, vou dizer é o de menos! Mudamos nossa rotina, nossas escolhas, nossa identidade.

Nosso corpo se transforma.

Por dentro, nosso corpo ele estica, desequilibra, se adapta para caber um serzinho que a gente ama apesar de conhecer só por fotografia.

Por fora é cabelo que fica lindo, volumoso, depois cai. A pele que fica radiante e depois sobram olheiras. Temos fome que nos engordam e leite que damos e nos emagrece. O peito que fica lindo, empinado, cheio de leite e depois que o bebê mama, ele cai! A roupa que cabia e não cabe mais! Manchas de comida e outras “cossitas mas” na roupa limpa que a gente acabou de trocar! MAS, SEMPRE TEM UM MAS… Tem abraço apertado, olhar vidrado e sorriso banguela que completa o look “sou mãe”.

A rotina muda desde a gravidez: o tempo passa devagar e rápido ao mesmo tempo. Durante os meses de enjoo no começo da gravidez a gente sente que isso não vai passar. A barriga parece que não cresce. O sono vem e deixa a gente mole, ás vezes esquecida, chorosa, briguenta… O peso das nossas obrigações vai ficando pesado, do tamanho da barriga. Há, claro, as gentilezas: nas filas, transportes, gente que antes nem olhava passa a olhar para aquele corpo reluzente de mãe. É tanta atenção, tanto carinho!

Nossas escolhas vão mudando também. Antes era lanchinho, cerveja, pão, doce, ketchup, pimenta. Agora tem que comer pra dois. Não em quantidade, mas em qualidade. Nutrir o bebê com alimentos bons e bons sentimentos. Nossas relações mudam. Do marido/parceiro(a)/companheiro(a) até a nossa mãe. Imaginamos o que passam, mudamos de humor e nos sentimos carentes, mudamos de humor e nos sentimos tristes, mudamos de humor e nos sentimos a leoa que nos tornaremos mais pra frente. Acompanhar essa gravidez não é fácil pra ninguém! E as dores, a azia, o sono e a falta dele? E a barriga cresce, e vamos mais ao banheiro, choramos, mudamos de humor. Aquela ida na balada já não aguentamos como antes, aquela subida de escada já parece demais. Pequenas coisas mudam nossa rotina. Pra sempre?

O que mais mudou pra mim foi a identidade. De alguém com nome passei a ser a mãe do mocinho com nome. Antes eu era eu. Hoje sou também eu, mas sou outras coisas mais: sou mais corajosa, sou aquela que deixa de comer a comida quentinha, sou a que dorme quando dá, sou a que trabalha quando dá, a que se procura a todo tempo nas próprias coisas e se acha num olhar do meu bebê que mama. Silenciosamente. Shiii… Dormiu!

E essa é a hora em que a gente pode tomar banho, pode lavar louça, pode dormir, ir no banheiro, namorar, trabalhar.

Aprender e estudar não são a mesma coisa

Publicado em Deixe um comentário

Num mundo em constante transformação tecnológica, a habilidade de aprender é algo tão importante que torna-se decisivo inclusive na sobrevivência no mundo adulto. Mas existem alguns mitos envolvendo o aprendizado que precisam ser desfeitos. Resumindo: Aprender é muito mais que estudar.

Quando seu filho está em idade escolar, ele não só está inserido num contexto de aprendizagem de conteúdos formais sobre a cultura em que estamos e estudar é uma parte na aquisição do conhecimento passado, como também é um contexto onde ele pode ampliar seu raio de habilidades de memorização, reflexão e crítica sobre o assunto, argumentação sobre seus pontos de vista e comunicação da sua forma de raciocinar.

Sentar, ler com seu filho, discutir o assunto, selecionar aspectos mais e menos importantes sobre o tema, ampliar fontes de busca de conhecimento, validar e verificar versões sobre o conteúdo, elaborar resumos, perguntas e respostas sobre o tema são parte da técnica de estudo envolvida no processo de aprender.

Fazer tudo isso com seus filhos é difícil. É mesmo! Ainda mais se não estamos acostumados a fazer isso. A falta de tempo e o cansaço em relação às outras atribuições da vida de adulto, o desinteresse pelo conteúdo e pelo ato de estudar em si é a desorganização sobre o de começar a ajudar o filho a estudar são dificuldades encontradas por muitos pais.

Em vez de focar nessas dificuldades, quero aqui ressaltar aspectos positivos e poderosos sobre a atitude de ensinar seu filho a aprender ao invés de estudar .

  • É um momento em que você passa com seu filho ( livrando-se da culpa depois pelo tempo que passou quando ele era pequeno e você perdeu)
  • É uma oportunidade de reciclar e ampliar seus conhecimentos sobre o mundo, sobre seu filho e sobre você mesmo (afinal faz tanto tempo que você saiu da escola, não é? E a informação que vocês virem juntos pode te ajudar a entender melhor seu mundo adulto também)
  • É um momento em que você pode ensinar seu filho a ter crítica e a pensar, experimentar e observar o mundo, complementando com comentários sobre seu tempo de escola, suas experiências com o conteúdo. Isso vai ajudá-lo a integrar os conhecimentos passados pela escola com o mundo experiencial e isso é hoje o que o mercado exige do trabalhador.
  • Esse tempo que você “perde” estudando com ele você não precisa repetir depois que seu filho vai crescendo, ficam guardados na memória dos dois.
  • Essa atitude o prepara para se adaptar ao mundo, dando a ele a confiança de que ele é capaz de adaptar-se e desenvolver conhecimentos sobre o mundo que o rodeia.

Pensa nisso!

Mais sobre o assunto:

MOREIRA, Marco Antonio. Aprendizagem significativa subversiva. Série-Estudos – Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, [S.l.], jun. 2013. ISSN 2318-1982. Disponível em: <http://www.gpec.ucdb.br/serie-estudos/index.php/serie-estudos/article/view/289>. Acesso em: 12 maio 2019. doi:http://dx.doi.org/10.20435/serie-estudos.v0i21.289.

VIEIRA, Fabiana Andrade da Costa. Ensino por investigação e aprendizagem significativa crítica: análise fenomenológica do potencial de uma proposta de ensino. 2012. 144 f. Tese (doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, 2012. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/102039>.

CIA, Fabiana; Pereira, CAMILA Sousa; Del Prette, Zilda Aparecida; Del Prette, Almir. Habilidades sociais parentais e o relacionamento entre pais e filhos. Psicologia em Estudo, Maringá, v.11, n. 1, p. 73-81, Jan./abr. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/pe/v11n1/v11n1a09.pdf

Preguiça, procrastinação e ócio: qual o espaço da criatividade no nosso cotidiano?

Publicado em Deixe um comentário

Eu escuto muito uma mistura de significados dessas palavras. Todas elas abominadas pelo universo do trabalho tradicional. Felizmente, o mundo está mudando e os trabalhos também. Isso significa que os pesos da preguiça, da procrastinação e do ócio vêm mudando também.

  • No mundo em que somos viciados em café, dicas de motivação e produtivismo com cara de produtividade, o marasmo de não fazer nada é entendido como ruim por dar sensação de vazio. Ao mesmo tempo a sensação também é de descansar, sendo algo reservado e desejado ao final de semana, mas sempre interrompido pelo pensamento recorrente e irritante de que não é algo permitido.
  • Esse é o paradoxo que alguns sentem que é prejudicial, pois não parece produtivo enquanto não é possível produzir.
  • Os magos da produtividade avisam em letras garrafais, mas muita gente não presta atenção: tempo de não fazer nada, sentir preguiça, procrastinar e ficar ocioso faz parte! É a atitude em relação a esses sentimentos e comportamentos que faz toda a diferença. Se culpar não muda nada e só piora a sensação de incapacidade.
  • Lanço aqui, portanto, dois desafios para você que quer repensar seu tempo de descanso e as possibilidades que ele abre para você em termos de criatividade: um é de nível iniciante e outro é nível hard.
    • Nível iniciante: coloque o tempo ocioso e a procrastinação na sua rotina. Faça isso se colocando descansos e prazos.
      Nível hard: deixe essa experiência vir espontaneamente, acalme seu coração e siga em frente aproveitando o momento de procrastinação como um momento de autocuidado e melhora da sua autoestima.
  • Responda então a si mesmo: será que esse tempo não te deixa mais criativo e capaz de ter compreensões sobre sua realidade ao invés de só reproduzir fórmulas de sucesso?
  • O que é isso de ser Sua Melhor Versão?

    Publicado em Deixe um comentário

    Já não está bom ser quem eu sou? Não vivem dizendo que a gente tem que se aceitar como é? Então como posso me tornar minha melhor versão?

    Responder a essa pergunta exige dar um passo para trás e te perguntar: qual a história que você conta de você? Você conta uma história da sua vida a partir de fatos que você lembra, não todos, mas os mais marcantes e esses deixam afetos como gostos na boca ma hora de contar a sua história para alguém. Isso acontece mesmo quando você conta a sua história para você mesmo.

    Se você prestar atenção, você não conta a sua versão da história da sua vida da mesma maneira desde que nasceu e também não conta do mesmo modo para todas as pessoas. Pra algumas você deixa mais detalhes, pra outros fala com mais entonação aqui e ali, ou troca seu modo de falar ou as palavras que usa para ter mais ou menos atenção e empatia de quem escuta a sua história (isso vale até pra você mesmo, nas suas conversas consigo mesmo).

    Pois bem. Ser Sua Melhor Versão entra nessa querela de contar sua história de vida, ou situações vividas de um jeito que promova mais seu desenvolvimento. Leia isso entendendo que desenvolvimento não é aparecer bem na foto, mas ser capaz de olhar seu álbum de fotos e se reconhecer nele todo e poder pensar em como ser melhor a cada dia.

    Implica no modo como compreendemos e damos sentido ao que vivemos e o que fazemos com nossas emoções. Não implica em se ver como alguém que é bonzinho, ou sempre estar certo, sempre ser o melhor entre as pessoas em volta. Não. Tem a ver com o modo como você reconhece suas habilidades, dificuldades, potencialidades (o que você pode vir a se tornar) e conhecer e reconhecer esforços que pode ter para chegar onde você quer, de acordo com o que a realidade compartilhada permite.

    Ser Sua Melhor Versão não é ser você mesmo numa roupinha arrumada na foto da rede social e mostrar que está tudo ótimo na sua vida!