Ensinando a inteligência artificial de mecanismos de busca a cuidar da sua saúde psíquica

Publicado em Deixe um comentário

Muito se fala da inteligência artificial como ferramenta para tornar a vida mais prática. São aplicativos, buscadores, programas de comando de voz disponíveis ao toque do dedo. Essas ferramentas de fato facilitam achar tudo! Um questionamento que se faz hoje é se vamos ficando preguiçosos. Com certeza deixamos de nos esforçar para lembrar números de telefone, nomes de contatos profissionais (e até pessoais!). Mas qual impacto disso na nossa vida psíquica?
O aspecto que quero ressaltar é sobre potenciais benefícios que o uso de inteligências artificiais pode promover em nossa saúde psíquica.
Você já pensou em como pode ensinar a inteligência artificial do seu buscador? Como assim? Suas buscas diárias em seu navegador e nas redes sociais oferece uma infinidade de dados sobre você e essas informações muitas vezes são utilizadas para lhe oferecer produtos e serviços especializados. Você já se deu conta disso? Ok, e qual a relação disso com a sua saúde psíquica?
Você provavelmente está lendo esse texto porque procurou sobre saúde mental, saúde psíquica, depressao, ansiedade. Ou se interessa sobre inteligências artificiais. Algumas buscas que você realizou trouxe resultados como problemas de relacionamentos, transtornos mentais, modos de lidar com o estresse, evitar a ansiedade nossa de cada dia.
Proponho a você a pensar em como as inteligências artificiais de buscadores aprendem. Elas seguem seu padrão de busca. Se você digita depressao, vc vai ver vários resultados relacionados ao diagnóstico, medicações, profissionais que tratam e talvez algumas dicas para lidar você mesmo com sentimentos de tristeza que sequer são depressao.
Isso porque nós tendemos a digitar nossos problemas e a procurar soluções pra tudo na internet. Essa forma de pensar só ensina seu buscador a encontrar problemas relacionados à sua busca.
Uma forma diferente de sair do modelo doença pode ser ensinar a inteligência artificial do buscador a procurar resultados otimistas, dicas práticas e úteis para lidar com as emoções. E aqui vai a dica: você pode fazer isso simplesmente mudando seu jeito de fazer perguntas ao buscador. Ao invés de digitar depressao, podemos digitar algo como “como ser menos triste”, como encontrar a alegria de viver. Voce verá que os resultados serão diferentes da primeira busca. E se você parar para pensar, você vai estimular a inteligência artificial do seu buscador a te ajudar a achar resultados mais condizentes com a uma pesquisa sobre saúde psíquica mais otimista e foçada em soluções.
Parece besta. Mas a sacada é que somos condicionados a pensar em problemas e não em soluções para os problemas. Nossa “inteligência natural” por assim dizer, pode aprender com a inteligência artificial. As empresas de buscadores e de redes sociais, atentas as tendências atuais ligadas ao aumento do suicídio já dão uma ajudinha nesse sentido: Um exemplo é quando você digita suicídio e rapidamente percebe que os primeiros resultados são de modos de pedir ajuda quando se pensa em suicídio.
As empresas desenvolvedoras dos mecanismos de busca por inteligência artificial já estão programando estratégias desse tipo, como é o caso do Google e do Facebook. Mas você pode fazer isso e ajudar a si mesmo a encontrar resultados mais apropriados ao que busca e ser o próprio coach e treinador do seu mecanismo de busca..
Faça esse teste. Tente varias vezes reformular suas buscas em relação à saúde mental de maneira mais otimista. Um resultado colateral a isso pode ser você ensinar sua “inteligência natural” a ser mais criativa e a fazer novas escolhas de vida.
Nossa vida está tão intrincada com a internet das coisas que já não concebemos a vida sem ela, então porque não usar isso a nosso favor?